terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Dados técnicos



O projeto circuito² possui uma área de 350.806 m² dividido da seguinte forma:

  • 23.171 m² de área institucional;
  • 79.060 m² de área viária;
  • 38.237 m² de área de preservação permanente;
  • 12.093 m² de área de reserva permanente;
  • 198.237 m² de área loteada.

O novo bairro é composto por 10 super quadras com as respectivas áreas:

  • Quadra 01: 50.583 m² sendo apenas 27.412 m² de área loteada;
  • Quadra 02: 19.333 m²;
  • Quadra 03: 1.875 m²;
  • Quadra 04: 3.908 m²;
  • Quadra 05: 34.534 m² sendo apenas 25.764 m² de área loteada;
  • Quadra 06: 27.064m² sendo apenas 23.741 m² de área loteada;
  • Quadra 07: 6.789 m²;
  • Quadra 08: 65.525 m²;
  • Quadra 09: 11.615 m²;
  • Quadra 10: 12.275 m²;

Com relação aos edifícios, existem dois tipos: o simples e o duplo. No total, temos 36 edifícios simples e 33 edifícios duplos. A estimativa dos autores do projeto dos edifícios é que nos edifícios simples morem em media 63 pessoas e nos duplos 125, sendo assim, calculamos a população estimada do bairro de 6.393 habitantes. E unindo os dados da população estimada com as áreas nos temos uma densidade liquida de 322 habitantes por hectare e uma densidade bruta de 182 habitantes por hectare.

O projeto


Mapa do projeto e sua relação com as curvas de nivel



BannerDetalhe da rua

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Conceitos

Com a intenção de criar maior comodidade e qualidade de vida, este projeto visa a criação de “caminhos verdes” voltados exclusivamente para pedestres. Estes caminhos seriam para a circulação exclusiva destes e estaria não só separada dos carros mas também tornaria o deslocamento pelo bairro mais fácil –uma rota alternativa que cortaria o meio das quadras – e agradável, pois seria arborizado, tendo um aspecto de uma grande praça linear e contínua. Essas áreas serviriam ao mesmo tempo de circulação de pedestres e também como praças/área de lazer que atenderiam as habitações próximas.

Estas áreas de lazer e praça espalhadas nas quadras se ligariam umas nas outras ora por passarelas, ora pela continuidade de seu piso, mais elevado que o nível da rua, dando continuidade ao mesmo, formando uma espécie de lombada na via, fazendo com que o motorista do veículo reduza a velocidade e respeite o tráfego dos pedestres. As passarelas possuem não só a função de transportar o pedestres para as outras regiões sem impedir o fluxo de veículos, mas, neste caso, serve também como barreira (em sua altura com relação à via) para os caminhões que ali faziam trafegavam, impedindo que cortem caminho pelo bairro ocasionando problemas como já citados anteriormente.


Com a finalidade de obter uma intensidade maior no uso destes espaços, o projeto propõe a criação de edifícios de apartamentos a fim de tornar a área mais densa.

Águas pluviais: Há uma grande concentração do volume de água na parte do rio, devido o sentido do escoamento das águas pluviais do terreno ser somente na região mais baixa, onde se localiza o rio. Para sanar um futuro problema de enchente nesta região do bairro, foi pensada uma zona de contensão de água. Assim, em épocas de chuva, seria formado nesta região um pequeno alagadiço que, juntamente a uma extensão do Parque Siqueiroli no bairro proposto, estaria localizado um mirante a fim de aproveitar essa área de contemplação da paisagem para uso público.

Primeiros estudos




Após estudar a área partimos pros primeiros estudos de como iria se dar o funcionamento da malha urbana, a partir de uma análise do entorno e da continuidade das vias. Num primeiro momento, pensamos em um modelo de traçado urbano onde o tráfego de pedestres fosse prioritário e separado das vias de tráfego de veículos. Assim, estas vias de uso exclusivo do pedestre se interligariam pelas quadras, permitindo um acesso mais direto e rápido pelo bairro. Neste espaço, haveria ciclovias e espaço para lazer (praças) destinadas as áreas das quadras e também ao bairro todo.

Características da área

Esta região apresenta com muitas áreas de cuidados preservação e limites bem definidos: as vias no perímetro das divisas com os bairros residenciais, a APP que margeia o córrego/nascente, a presença de um grande muro e de um linhão, sendo, os dois últimos, localizados no perímetro que faz divisa com o bairro industrial.

O terreno apresenta pouca variação em sua inclinação, sendo, em sua maior parte em torne de a 5%, e uma inclinação máxima, de 12%, em uma área reduzida próxima à Área de Preservação Permanente. Apesar disso, o escoamento e das águas pluviais convergem para a região do córrego.

Esta região é, ainda, frequentemente usada por caminhões de carga que cruzam o terreno no sentido de cortar caminho pela região dos bairros.

A continuação desse tipo de cruzamento pelo bairro mesmo após a instalação da proposta do bairro, acarretariam danos em seus equipamentos e vias urbanas, além de perturbar a vivência dos futuros moradores.

Escolhendo a área


A área escolhida para planejamento de parcelamento de um bairro fica localizada na parte norte da cidade de Uberlândia – MG. Está área de gleba tem o equivalente a 370.000m² de área.

É ladeada pelo Setor Industrial de Uberlândia, em sua parte norte, e por de dois bairros residenciais, nas partes leste e oeste: Residencial Gramado e o bairro Marta Helena; e na parte sul, fica localizada a área de preservação do córrego.

Esta área apresentou-se interessante por estar inserida dentro de uma malha urbana e localiza no entre bairros,facilitando uma análise do entorno e uma proposta que atenda a esse respectivo local. Um exemplo disso é sua proximidade com o Setor Industrial de Uberlândia, possibilitando pensar, num primeiro momento, num bairro que atendesse essa região e a seus trabalhadores.

Os bairros no entorno, como o Marta Helena e o Residencial Gramado apresenta-se, em sua grande maioria, com uma tipologia das casas mais simples, tendo caracterizados como bairros estritamente residenciais. Há poucas áreas verdes e de lazer.